quarta-feira, 20 de março de 2013

Papa diz a Dilma que visitará Aparecida durante viagem ao Brasil

Presidente Dilma Rousseff (centro) cumprimenta o papa Francisco no Vaticano, durante encontro com o líder da Igreja Católica

O papa Francisco confirmou que irá ao Brasil para participar da Jornada Mundial da Juventude, que acontece em julho no Rio de Janeiro, e que, durante a viagem, fará uma visita a cidade de Aparecida, no interior de São Paulo. Foi o que disse a presidente  Dilma Rousseff, após um encontro reservado com o  pontífice, na manhã desta quarta-feira (20).

A presidente disse que o papa espera um grande público no evento. "A Igreja, como uma instituição secular, tem no jovem um foco muito grande. E ele estava me dizendo que espera uma presença grande dos jovens na medida em que ele é o primeiro papa --ele é o primeiro em várias coisas: ele é o primeiro Francisco, o primeiro jesuíta, o primeiro latino-americano, o primeiro argentino--, e ele espera presença massiva de jovens", afirmou Dilma.

O papa, conforme apontou ela, está "muito entusiasmado" com a visita ao Brasil. A viagem poderá ser o primeiro compromisso internacional do papa Francisco, que foi eleito há uma semana para liderar os 1,2 bilhão de católicos do mundo.

A participação do pontífice na Jornada Mundial da Juventude, evento internacional criado pelo papa João Paulo 2º e realizada pela Igreja Católica em uma cidade diferente do mundo a cada dois ou três anos, já tinha sido comunicada pelo Vaticano. Mas, a parada em Aparecida, apesar de esperada, foi mencionada por Francisco pela primeira vez. 

A assessoria de imprensa do Vaticano informou que, nos próximos dias, a agenda do papa no Brasil deverá ser confirmada.

Mais detalhes sobre a reunião

A conversa com o pontífice, segundo ela, foi "bastante interessante". "Ele é uma pessoa extremamente carismática e, ao mesmo tempo, com um grande compromisso com os pobres, o que torna a relação com o Brasil muito importante para nós, porque o governo brasileiro vem, nos últimos dez anos, a partir do Lula, focando a questão da superação da pobreza". Dilma fez questão de dizer que foi a primeira pessoa a ser recebida pelo papa após a inauguração de seu pontificado.

O pontífice entregou à presidente um livro com a síntese das discussões da conferência de bispos latino-americanos realizada em Aparecida em 2007. Na ocasião, Francisco foi um dos responsáveis por preparar o documento final.

No encontro, o papa comentou ainda que ficou muito comovido com a tragédia em Santa Maria (RS)--onde um incêndio em uma boate matou mais de 240 pessoas-- e deu um conselho a ela, recomendando que, nessas situações, demonstre "força e ternura".  "Ele disse: 'Acho que a gente tem na vida que demonstrar força e ternura e, em Santa Maria, o Brasil demonstrou força e ternura'. E eu fiquei muito agradecida".

O combate ao crack também foi discutido. Dilma disse que Francisco ressaltou que é fundamental, para o combate às drogas, reforçar valores e princípios. "Conversamos sobre a questão das drogas e do crack, o reforço de valores, princípios e símbolos para a juventude", destacou ela. 

Ao descrever detalhes sobre a reunião às portas fechadas com o religioso para os jornalistas, a presidente fez uma brincadeira  e disse que o "papa é argentino, mas Deus é brasileiro". 

A presidente brasileira já havia se encontrado por alguns segundos com o pontífice ontem (19), após a missa inaugural do papado de Francisco, realizada na basílica de São Pedro, no Vaticano. Na ocasião, ela aparentemente teria dito ser um prazer ter um papa que se dedique aos pobres. 

Segundo o blog do jornalista Fernando Rodrigues, a visita de Dilma ao Vaticano, que inicialmente foi rejeitada pela própria presidente, atende a uma lógica de "marketing eleitoral". O artigo aponta a viagem como uma estratégia para atrair o eleitorado católico nas eleições de 2014.

0 comentários :