sábado, 21 de julho de 2012

Liturgia Diária - Evangelho, Salmo e Santo do dia

O servo escolhido de Deus . Mt 12,14-21 


Ano B – Dia: 21/07/2012
E ordenou-lhes que não dissessem quem ele era,
para se cumprir o que foi dito.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Mateus 12,14-21
 
14Os fariseus saíram e fizeram um plano para matar Jesus.

15Ao saber disso, Jesus retirou-se dali.
Grandes multidões o seguiram, e ele curou a todos.

16E ordenou-lhes que não dissessem quem ele era,

17para se cumprir o que foi dito pelo profeta Isaías:

18‘Eis o meu servo, que escolhi;
o meu amado, no qual coloco a minha afeição;
porei sobre ele o meu Espírito,
e ele anunciará às nações o direito.

19Ele não discutirá, nem gritará,
e ninguém ouvirá a sua voz nas praças.

20Não quebrará o caniço rachado,
nem apagará o pavio que ainda fumega,
até que faça triunfar o direito.

21Em seu nome as nações depositarão a sua esperança.’

Palavra da Salvação. 


São Lourenço de Brindisi 


  21 de julho
 
Geralmente, as chamadas “crianças superdotadas”, aquelas que demonstram um dom excepcional para alguma especialidade, quando crescem, parecem “perder os poderes” e nivelam-se com as demais pessoas. São poucas as exceções que merecem ser recordadas. Mas, com certeza, uma delas foi Júlio César Russo, que nasceu no dia 22 de julho de 1559, em Brindisi, na Itália.

Seu nome de batismo mostrava, claramente, a ambição dos pais, que esperavam para ele um futuro brilhante, como o do grande general romano. Realmente, anos depois, lá estava ele à frente das forças cristãs lutando contra a invasão dos turcos muçulmanos, que ameaçava chegar ao coração da Europa depois de ter dominado a Hungria. Só que não empunhava uma espada, mas sim uma cruz de madeira. Nessa ocasião, já vestia o hábito franciscano, respondia pelo nome de Lourenço e era o capelão da tropa, além de conselheiro do chefe do exército romano, Filipe Emanuel de Lorena.

Vejamos como tudo aconteceu. Aos seis anos de idade, o então menino Júlio César encantava a todos com o extraordinário dom de memorizar as páginas de livros, em poucos minutos, para depois declamá-las em público. E cresceu assim, brilhante nos estudos. Quando ficou órfão, aos quatorze anos de idade, foi acolhido por um tio, que residia em Veneza. Nessa megalópole, pôde desenvolver muito mais os seus talentos para os estudos.

Mas a religião o atraia de forma irresistível. Dois anos após chegar a Veneza, ele atendeu ao chamado e ingressou na Ordem dos Frades Menores de São Francisco de Assis. Em seguida, juntou-se aos capuchinhos de Verona, onde recebeu a ordenação e assumiu o novo nome, em 1582. Depois, completou sua formação na Universidade de Pádua. Voltou para Veneza em 1586, como professor dos noviços da Ordem, sempre evidenciando os mesmos dotes da infância.

Tornou-se especialista em línguas e sua erudição levou-o a ocupar altos postos em sua Ordem e também a serviço do sumo pontífice. Foi provincial em Toscana, Veneza, Gênova e Suíça e comissário no Tirol e na Baviera, pregando firmemente a ortodoxia católica contra a Reforma Protestante, além de animar as autoridades e o povo na luta contra a dominação dos turcos muçulmanos. Lourenço foi, mesmo, o superior-geral da sua própria Ordem e embaixador do papa Paulo V, com a missão de intermediar príncipes e reis em conflito.

Lourenço de Brindisi morreu no dia do seu aniversário, em 1619, durante sua segunda viagem à Península Ibérica, na cidade de Lisboa, em Portugal. Foi canonizado em 1881 e recebeu o título de doutor da Igreja em 1959, outorgado pelo papa João XXIII. A sua festa é celebrada um dia antes do aniversário de sua morte, no dia 21 julho.                                                                                                                                                                                                                                           
                                     São Lourenço de Brindisi,  rogai por nós! 


Leitura da Profecia de Miquéias . (2,1-5)

Ano B – Dia: 21/07/2012
Cobiçam campos, e tomam-nos com violência,
cobiçam casas, e roubam-nas.
Leitura da Profecia de Miquéias 2,1-5

1Ai dos que tramam a iniqüidade
e se ocupam de maldades ainda em seus leitos!
Ao amanhecer do dia, executam
tudo o que está em poder de suas mãos.

2Cobiçam campos, e tomam-nos com violência,
cobiçam casas, e roubam-nas.
Oprimem o dono e sua casa,
o proprietário e seus bens.

3Isto diz o Senhor:
‘Eis que tenciono enviar
sobre esta geração perversa
uma desgraça de onde não livrareis
vossos pescoços;
não podereis andar de cabeça erguida,
porque serão tempos desastrosos.

4Naquele dia,
sereis assunto de uma alegoria,
de uma canção triste que diz:
‘Fomos inteiramente devastados;
a parte de meu povo que passou a outro
por ninguém lhe será restituída;
os nossos campos são repartidos entre infiéis.`

5Por isso, não terás
na assembléia do Senhor
quem meça com cordel
as porções consignadas por sorte.’

Palavra do Senhor.

0 comentários :